quarta-feira, 4 de maio de 2011

Deus está feliz com a morte de Osama Bin Laden?

As emoções de Deus são complicadas como as suas, porém, milhões de vezes mais complexas. E as emoções sobre a morte de Bin Laden também não são simples, isto é, únicas, elas se misturam e isso é bom. Você também é assim.

Em resposta a morte de Osama, poucos twittes ou blogs citaram a verdade bíblica de que “Deus não se deleita na morte do ímpio” e isto é verdade!

Também é verdade que Deus se deleita na morte do ímpio. Existem coisas sobre cada morte que Deus aprova por si mesma e coisas que Ele desaprova por sim mesmas.

Então Deus tem a mente dúbia? (É vacilante?). Isto é uma conversa dupla. Todas as pessoas atenciosas fazem tais distinções. Por exemplo, se meu filho perguntar se eu gosto de um determinado filme, eu poderia dizer sim e não para o mesmo filme. Porque? Por que um filme pode ser avaliado por: ação, nudez, cinematografia, palavrões, complexidade, fidelidade a fonte, reverencia a Deus, retrato exato da natureza humana, etc.

Então minha resposta é quase sempre sim em algumas maneiras, e de outras maneiras não. Outras vezes posso dizer simplesmente sim ou não por conta das circunstancias atenuantes (dependendo do momento).

Aqui esta o porque de eu dizer que Deus aprova e desaprova a morte de Osama Bin Laden. Em certo sentido a morte humana não é o prazer de Deus: “Tenho algum prazer na morte do ímpio?” - declara o Senhor Deus – e não antes que se converta do seu caminho e viva? 
“Porque não tenho prazer na morte de ninguém, diz o Senhor Deus; convertei-vos e viva” (Ez 18:23,32).
Em outro sentido, a morte e o julgamento de ímpio (impenitente) é o prazer de Deus:
“Assim se cumprirá a minha ira, e satisfarei neles o meu furor” (Ez 5:13)
A Sabedoria clama: 
“Porque você ignorou todos os meus conselhos e fizeram o que eu reprovo, eu zombarei da sua calamidade; zombarei quando o terror vos atacar” (Pv 1: 25-26)
“Alegra-te sobre ela , ó céus, e vós santos apóstolos e profetas, porque Deus julgou a vossa causa quanto a ela” (Ap 18:20)
“Como o Senhor teve prazer em fazer o bem, assim o Senhor se deleitará em trazer ruína sobre você e destruí-lo” (Dt 28:63)
Nós não devemos cancelar qualquer destas passagens, mas pensar em como são verdadeiras!

Deus não é malicioso ou sanguinário, minha sugestão é que a morte e a miséria do ímpio (impenitente) por si só não é o prazer de Deus. Deus não é sádico. Ele não é malicioso ou adora sangue. A morte e o sofrimento por si só não é o seu prazer. Ao contrário, quando uma pessoa rebelde é julgada o que Deus tem prazer é a exaltação da verdade e da justiça, e a defesa da própria honra e glória divina.

Quando Deus adverte Israel que o Senhor teria prazer em trazer ruína sobre eles e destruí-los caso não se arrependessem (Dt 28:63), isto significa que aqueles miseráveis que se rebelaram contra o Senhor não estariam aptos para regozijarem com o Todo Poderoso.

Deus não é derrotado quando o Seu julgamento justo triunfa! Pelo contrário, Moisés disse que quando eles são julgados, involuntariamente providenciam uma ocasião para Deus se alegrar na demonstração de sua justiça e seu poder e infinito valor de sua glória.

Que isto seja um aviso para nós que de Deus não se zomba! Ele não esta preso ou encurralado ou mesmo coagido. Mesmo a caminho do Calvário tinha legiões de anjos a sua disposição: “Ninguém tira minha vida de mim, Eu a dou por minha própria vontade” para Seu próprio prazer, para a alegria daqueles que viriam a crer Nele. Neste ponto da história do universo onde Deus parecia estar preso, na verdade Ele estava no comando, fazendo precisamente o que Lhe aprazia: Morrendo para justificar o ímpio como eu e você.

Tradução: Shirley Weiss
By John Piper

0 comentários:

Postar um comentário

 
;